Será que a capacidade de sentir a felicidade já é pré-determinada pela genética?




A felicidade se relaciona com emoções como a satisfação, contentamento, orgulho, otimismo, esperança e confiança. Todo ser humano invariavelmente busca, de forma direta ou indireta, ter bem-estar e conquistar, o que considera a felicidade, como prazer ou gratificação, senso de sentido e propósito na vida. Diversos estudiosos se dedicam a estudar as cognições, hábitos e comportamentos associados às pessoas que dizem mais felizes. A ciência demonstra que o bem-estar tem um papel importante na longevidade em populações saudáveis, sendo o impacto do seu efeito tão importante quanto o impacto do tabagismo por exemplo, na mortalidade de uma população. Criança feliz Quando as crianças são perguntadas se são felizes, 85% se consideram felizes. Para crianças, a ideia de felicidade geralmente se associa a fazer coisas divertidas e estar na companhia de amigos e familiares. Simples né...? Mas estudos apontam que o entendimento de felicidade reflete o nível cognitivo da criança em desenvolvimento, e à medida que desenvolvem suas habilidades fica evidente que novos desafios e novos ´problemas´ surgem dificultando a busca da tal felicidade. A nação mais feliz A Organização das Nações Unidas (ONU), anualmente faz um ranking de classificação de felicidade, e nesse pódio, consecutivamente, a Finlândia é a nação tricampeã. Se a percepção de felicidade e bem-estar depender somente da genética, os finlandeses parecem ter os genes, alelos e combinações mais desejados! Mas será mesmo que somente os genes garantem a percepção de felicidade e plenitude? A ciência vem se dedicando a entender como podemos modular a felicidade e o bem- estar. Há uma linha de pesquisadores que têm a teoria de que a capacidade de se sentir feliz é determinada geneticamente. Mas, vale lembrar que os índices nacionais de felicidade não são estáveis e são influenciados por outras variáveis. Estudos mostram que o clima, o ambiente em que se vive, a presença de doenças, dados econômicos, fatores sociais, valores e crenças das pessoas diferem na percepção de bem-estar. Há países paupérrimos e com alto índice de criminalidade que se dizem mais felizes que países com altos índices de desenvolvimento humano. A expressão genética pode embasar o motivo de nações apresentarem neurotransmissores que podem se expressar de forma mais eficiente em algumas populações. No entanto, não há determinismo genético para a infelicidade, sabe-se que há fatores mutáveis que cientistas apontam ser valiosos para sentir bem-estar. A percepção de bem-estar é o resultado de um conjunto de parâmetros individuais, modificáveis ou não, sendo o estilo de vida considerado um fator influenciador para a promoção da saúde e a melhoria da qualidade de vida.

A ciência aponta a possibilidade de produzir felicidade A ideia de felicidade na vida pode não estar no seu ponto mais alto em 2020, afinal, estamos vivendo em meio à pandemia e à sensação de falta de controle gera ansiedade. Mas você sabia que o seu cérebro foi feito para se adaptar a ser feliz independente dos eventos? Estudos com vítimas de tragédias e perdas importantes na vida, relatam que há um ponto de equilíbrio em nosso cérebro que nos faz superar esses momentos, bem como, estudos conduzidos com ganhadores de loteria que se tornaram milionários da noite para o dia também comprovam que há um platô para essa percepção de felicidade ao longo do tempo. Cientistas apontam que a chave para se ter bem-estar a longo prazo é cultivar um estilo de vida moldando por hábitos, rotina e consistência de atividades tanto físicas quanto mentais. Listamos aqui um guia resumido de 5 hábitos que podem parecer super clichê mas que a ciência já mostrou trazer um grande impacto na qualidade de vida e bem-estar. Foque em 2021 para implementar essas pequenas mudanças:

1- Durma bem Dados da Associação Brasileira do Sono (ABS) apontam que cerca de 60% dos brasileiros dormem menos de 7 horas por dia. Dormir pouco afeta a imunidade e a capacidade natural do corpo e mente se recuperarem. Pesquisas mostram que uma boa noite de sono melhora quadros de depressão, aumentando a imunidade e o bom humor! Veja mais em: Como o sono impacta em seu desempenho e leva a lesões no treino?

2- Mexa o corpo Exercitar-se é apontado pela ciência como fator mutável para aumento da longevidade, melhora do funcionamento cognitivo e psicosssocial (satisfação, autoestima, menor prevalência de ansiedade e depressão, etc.), contribuindo para a saúde mental e bem-estar emocional. Pesquisas comprovam que praticar, pelo menos 30 minutos por dia de exercícios físicos melhora o humor! Reserve alguns minutos após a atividade para perceber como você se sente depois do exercício com a liberação de hormônios do bem-estar e satisfação: Leia mais: Motivos para te convencer a sair do sedentarismo

3- Respire & Medite A meditação é a prática de desviar intencionalmente a atenção de pensamentos que te distraem para um único ponto, como a respiração, um som ou em um pensamento específico. Pesquisas comprovam o papel da meditação na diminuição do estresse, modulação do padrão de controle mental e aumento da percepção de satisfação e felicidade! Acesse minha matéria falando sobre os benefícios:

Estressado com a situação? Pare e Respire: Saiba como isso ajuda a relaxar 4- Queira o bem Outro hábito simples é o de ser e se sentir grato, compartilhando sua gratidão com os outros. A ciência comprova que esse simples pensamento gera sensação de plenitude e contentamento imediato. Estudos mostram que pessoas que participam de ações de cunho social ou quando pessoas presenteiam alguém, todas compartilham de sensação de contentamento, bem-estar e satisfação. 5- Pare de comparar sua vida com a dos vizinhos (pelas redes sociais) Esteja presente em sua vida, foque no que você tem e no que fez de bom hoje - pequenas ações devem ser contempladas na sua rotina. A cada um cabe julgar o quanto as suas expectativas de felicidade e contentamento são alcançadas ao longo dia, da semana, do ano, ou de uma vida inteira, - independente da presença de problemas externos existentes. Lembre-se que a percepção de felicidade é um processo contínuo de construção de hábitos e atitudes mentais. Por isso, você pode ajudar sua mente a melhorar seu humor e sua percepção de felicidade. *Colaboração Juliana Satake, fisioterapeuta da Unifesp - Clínica La Posture e Renata Luri, fisioterapeuta doutora pela Unifesp e Griffith University.