Puerpério - O que esperar dessa fase? O que é baby blues?



Um tema de saúde da mulher que ainda hoje pouco se aborda é sobre as mudanças que ocorrem no pós-parto e as ferramentas para a puérpera lidar com essa fase da melhor forma possível. A falta de informação leva à baixa compreensão das inúmeras mudanças após o nascimento do bebê.


Puerpério: Pode ser dividido em imediato (1º ao 10º dia), tardio (11º ao 45º dia) e remoto (a partir do 45º dia). Envolve diversas mudanças físicas, hormonais, mentais e emocionais. Nesse período o corpo da mulher se reorganiza e muitas mudanças acontecem de forma concomitante, como a queda brusca de alguns hormônios, a produção de novos, a lactação, a perda de peso, a eliminação de líquidos, entre diversas outras transformações que vão muito além das mudanças físicas.


Corpo pós-parto

No pós-parto, algumas mulheres criam a expectativa de “voltar ao corpo” pré-gestação rapidamente, sendo que o que deveria ser normalizado é um retorno gradual do corpo. A reorganização de cada órgão, sangramento (lóquios), inchaço sendo eliminado aos poucos, a permanência de uma “barriguinha” ou uma “barrigona”, a flacidez, as estrias… Vale lembrar que o corpo levou 9 meses para gestar e seu retorno também exigirá um tempo que pode perdurar por até um ano. Estudos indicam que ao longo do primeiro ano pós-parto, 42% das puérperas retornam ao seu peso pré-gestação, mas não necessariamente ocorre a perda correspondente à gordura corporal.


Sabemos que no contexto da gestação e pós-parto, há uma redução do nível de atividade física. No pós-parto, há ainda uma tendência ao aumento do consumo de calorias. Dados apontam que cerca de 20% das mulheres mantêm ou, inclusive, aumentam seu peso no puerpério.


Existem diversas variáveis que influenciam nessa retenção e ganho de peso. Uma questão pouco abordada mas que tem impacto importante no ganho de peso da puérpera é a significativa privação de padrão de sono por conta da rotina de cuidados com o bebê, o que pode perdurar semanas e meses. Para se ter ideia, o sono materno é considerado um fator de risco para o ganho de peso e obesidade no pós-parto. Dormir menos que 5 horas/dia de sono nos 6 meses pós-parto representa retenção de 5 ou mais quilos no primeiro ano do nascimento do bebê.


Isso é, a perda ou ganho de peso da puérpera depende de comportamentos relacionados não apenas à dieta por si só ou ao sedentarismo, mas ao sono e várias outras questões que impactam diretamente no seu padrão alimentar e de atividade física, como a logística e rotina de cuidado do bebê, e a rede de apoio dessa puérpera para que ela consiga delegar algumas tarefas.


Seja gentil com a nova mulher que nasceu junto com seu filho(a)


É esperado que o foco nessa fase se volte ao bebê. A rotina da mulher é a mais afetada e, de repente, ela se vê praticamente em dias e noites num looping de amamentação, colo e imersa em cuidados com o recém-nascido. O que pode gerar sentimentos contraditórios. É importante que se diga que, sim, a chegada de um bebê é uma mudança transformadora e cheia de beleza, porém, que não deixa de ser um evento estressor gerando sobrecarga física e mental, e alterações de humor características do pós-parto (baby blues)


Baby blues: relacionada à queda brusca de hormônios e condições estressoras com a chegada do recém-nascido. Afeta cerca de 50% a 85% das mães até dez dias após o parto. Ele é marcado por um quadro melancólico, com choro frequente, ansiedade e irritabilidade. É importante ressaltar que esse é um quadro transitório e se diferencia da depressão, psicose e outros transtornos de humor pós-parto que necessitam de ajuda especializada.


A fisioterapeuta Juliana Satake, especializada em Saúde da Mulher pela Unicamp, reforça que uma mãe que não está bem fisicamente ou emocionalmente, dificilmente conseguirá cuidar de seu bebê da melhor forma que gostaria. O ideal é que ela tenha apoio, seja do(a) parceiro(a), familiares e amigos para que possa se organizar e cuidar da melhor forma de si e do bebê, e claro, sempre dentro de sua realidade e possibilidades. Ela lembra que o autocuidado envolve encontrar pequenos momentos na rotina que a façam bem e não precisa ser nada grandioso pode ser um banho prolongado, uma caminhada ou uns minutos alongando na cama antes de se levantar.


No puerpério já ocorrem muitas mudanças e transformações e a mulher não precisa de mais autocobranças em relação à estética do corpo, o foco deve ser em se manter saudável para estar bem, cuidar bem de si e do bebê. Caso esteja com dificuldades nesse período, conte com pessoas de confiança, fale com seu médico e a equipe de saúde.


Equipe de Fisioterapia Clínica La Posture - @fisiomulher.laposture


Conheça o trabalho da Fisioterapia na Saúde da Mulher