Síndrome da carteira pode ser a causa das suas dores e de problemas na coluna!



Calma, calma… não estamos falando da carteira estar $$$ cheia ou $ vazia, mas sim do hábito de quem carrega a carteira na parte de trás da calça e para piorar, ainda se senta em cima dela!

Conhece alguém assim?

Esse é um hábito mais comum em homens, uma vez que eles não usam bolsas com a mesma frequência que mulheres e que, por falta de local para colocar os cartões e documentos, usam o bolso da calça para guardar esses pertences.

Geralmente a dor gerada pela carteira começa leve e como um desconforto na região do glúteo. Pouco a pouco, gera desconforto nas costas e com a rotina pode se tornar um problema crônico. Em muitos casos, pode evoluir com formigamento e irradiação para pernas.

Como e porque ela ocorre?

Ao sentar com a carteira em cima do glúteo, ela gera a compressão de uma série de estruturas, entre elas, o nervo ciático. Pensando que uma pessoa pode dirigir por horas ou trabalhar um dia inteiro com a carteira no bolso, há a redução do fluxo sanguíneo e oxigenação local, além de promover inflamação da região. Além disso, pode gerar compensações como a escoliose, uma vez que, ao se sentar, o quadril não se apoia nos ísquios, e há a alteração do alinhamento de toda coluna, gerando sobrecargas em regiões que não deveriam suportar o seu peso por tanto tempo. Os desvios posturais e compensações quando não tratados progridem para problemas como lombalgia, cervicalgia, protusão e hérnia de disco.

Tem sido cada vez mais comum, recebermos pacientes que acreditam ter um problema neurológico grave, que já tenham feito a eletroneuromiografia e tomam medicação, mas que ao se pesquisar as suas causas, encontramos a tal da carteira no bolso de trás da calça.

Por isso, além é claro, de tirar esse hábito de usar a carteira no bolso de trás, é preciso estar com o corpo alongado e fortalecido e se manter consciente da sua postura e da forma que você cuida de seu corpo.


Os trabalhos de Fisioterapia e RPG podem auxiliar tanto na prevenção quanto tratamento.

Quer saber mais sobre o tratamento? Clique aqui e fale com a gente!