Dor de cabeça constante? Saiba que a causa pode estar na tensão do pescoço



Ano novo, dores velhas! O corpo sentiu os 23 meses de pandemia com mudanças profundas na rotina e hábitos de vida. O estresse associado ao tempo que permanecemos expostos em frente ao celular e às péssimas condições ergonômicas no home office geraram um aumento significativo de pessoas nos procurando para tratar dores no pescoço, ombros e dores de cabeça.


Segundo a fisioterapeuta doutorada pela Unifesp, Renata Luri, quem tem cervicalgia e cefaleia tensional, geralmente já chega no consultório com uma postura de defesa e rigidez dos movimentos, tensão nos músculos e uma típica feição de dor. A dor no pescoço geralmente acomete mais mulheres na faixa etária entre os 20 a 50 anos e costuma piorar ao final do dia, prejudicando de forma profunda o sono e a qualidade de vida. Esses pacientes apresentam pontos-gatilho em diversos músculos, além de alteração na mobilidade do pescoço e dor durante a palpação da musculatura.


Esses pontos de tensão da musculatura amplificam a dor e podem ser a causa de sintomas em outras regiões do corpo. De forma geral, em momentos e fases da vida de maior estresse e pressão, essas pessoas acabam se queixando mais de dores ou apresentam episódios recorrentes e intensos.


Em casos mais graves ou prolongados de cervicalgia pode haver a compressão da raiz nervosa, levando ao quadro de cervicobraquialgia. Nestes casos, os sintomas mais comuns são dor, irradiação e formigamento para região de membros superiores.


Muita gente mascara esses desconfortos com o uso por conta de analgésicos, antiinflamatórios e até mesmo de relaxantes musculares, mas já é comprovado que o tratamento inadequado e a continuidade de sintomas a longo prazo acarretam desordens em outras estruturas do corpo e um quadro crônico de difícil resolução.

Causas desse tipo de dor de cabeça:

- Estresse emocional e físico

- Ansiedade e cansaço

- Sobrecarga de trabalho

- Fadiga visual e congestão nasal

- Bruxismo

Em caso de dores, lembre-se de procurar sempre por um profissional da saúde especializado para avaliação do caso. Os resultados são sempre mais positivos quando o tratamento se inicia de forma precoce e se possível, acompanhado por diferentes profissionais de saúde como psicólogos, fisioterapeutas, médicos, etc. No caso da cefaleia tensional, vale compreender os fatores desencadeantes que podem variar de pessoa para pessoa e por isso, o tratamento acaba sendo extremamente individualizado.


Equipe de Fisioterapia especialista da Clínica La Posture