Inspiração gestantes - Vanessa

Nosso bate-papo é uma inspiração para apoio a outras mães com informações leves e relatos reais.


La Posture: Vanessa, Parabéns pela chegada da bebê! Como foi a sua experiência da gestação?

Vanessa: No geral foi uma gravidez tranquila, mas na virada do terceiro para o quarto mês da gestação, comecei a sentir dor na região da lombar, por isso procurarei ajuda no Pilates. Em todas as sessões, a fisioterapeuta me deu dicas importantes que contribuíram para uma gravidez mais confortável e para saber lidar com os sintomas da gestação. No último trimestre, apesar do peso da barriga e do corpo, aguentei bem e no dia do parto consegui até dançar!


La Posture: E como foi o nascimento da Manu?

Vanessa: Estava com 41 semanas de gestação e quase marcando a data da indução do trabalho de parto mas a médica orientou o estimulo de forma mais natural, com uma acupunturista especializada em obstetrícia e massagem do colo de útero com o obstetriz. Após 1 hora de sessão, entrei em trabalho de parto em casa. Após madrugada adentro tendo contrações e entre um cochilo e outro, pela manhã fui à maternidade com 5 dedos de dilatação, achei que seria um parto rápido, mas chegando ao hospital, perdi o ritmo do trabalho de parto e a dilatação não ocorreu como o esperado. Fui ficando cansada e tive que recorrer à anestesia, pensando em ter mais forças para o final do trabalha de parto, quando chegasse realmente a hora da Manuzinha nascer. E foi um alívio a anestesia! Comemorei mais a chegada da anestesista do que a obstetra na sala de parto rs!


Após a anestesia, a dilatação começou a vingar novamente, porém, durante a avaliação da obstetra, a bebê não estava bem encaixada, por isso, ela estimulou o tempo inteiro exercícios (até dancei kuduro e macarena na sala do parto rsrs para estimular a dilatação) e fluiu, e a Manuzinha nasceu, meu tempo parou ali com ela olhando nos meus olhos! Foi lindo o momento em que nos olhamos e o meu marido emocionado ao ver a Manu.


Para mim, a experiência de humanizar ficou muito marcada, me ajudou na minha autoconfiança, saber que o meu corpo e a minha bebê sabiam o que fazer naquele momento. Ela me acolheu, me tranquilizou e inseriu o meu marido nesse processo para que estivesse preparado para ser meu porto seguro. É simplesmente nos lembrar da nossa natureza humana e confiar que está tudo certo, intervindo no processo apenas se necessário.


La Posture: Se você pudesse ajudar as mulheres que ficaram gestantes na pandemia, qual a maior dica você lhes daria?

Vanessa: Peça ajuda! E se possível, participe/ tenha uma rede de apoio, principalmente se for a primeira gestação. Ter informações, ter a quem recorrer, faz muita diferença para ter uma gestação tranquila, mesmo em tempos de pandemia. Seja a ajuda física, psicológica ou emocional